sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

‘Perdoa-me pai, eu comprei’ - Dezembro

Postado por Luciana Mara às 09:52:00 11 comentários Links para esta postagem
Momento de reflexão: Dezembro é o mês do natal, de amigo oculto, de trocar presentes. Então, o pequeniníssississimo número de aquisições deste mês está devidamente justificado.

Aquisições de Dezembro
Jogos Vorazes - Suzanne Collins
Como falar dragonês- Cressida Cowell
Como ser um pirata - Cressida Cowell
Perfeitos - Scott Westerfeld
Cidade dos Ossos - Cassandra Clare
Gone - Lisa McMann
Terra das Sombras - Alyson Noël
Desculpa, quero me casar contigo - F. Moccia                                                                   

Três metros acima do céu - F. Moccia
                                                                          As Patricinhas - Zoey Dean
 

Eu posso ter ganhado tudo, não posso? Eu poderia, mas não foi isso que aconteceu. ‘Aquele que nunca comprou exageradamente, atire a primeira pedra’, correto? Opa... Esta não é a passagem bíblica marcante deste mês, sorry.

Esclarecendo a história, todas as temporadas (lindas e que eu já vi) de Lost são frutos da minha primeira compra conjunta com o Léo \o/. ‘Cidade dos Ossos’ eu ganhei de amigo oculto e ‘Perfeitos’ foi presente de Natal da minha avó (ela me deu o $$$ e foi específica: ‘Compre um livro’. De verdade, ela disse isto  – como se eu não fosse fazer exatamente isso, mesmo que ela não tivesse dito nada). O resto brotou na minha estante, coincidentemente ao mesmo tempo em que meu dinheiro desaparatava da minha carteira. Milagre! Multiplicação de livros... Ops, passagem errada (again).

Então, se a passagem do mês é O NASCIMENTO, vamos lá.

Tira o narigão, e é meu pai
O carpinteiro em questão, não é José, é apenas meu pai que tem uma loja de móveis e quebra um galho para mim quando eu preciso de um móvel do tamanho certo para o meu quarto. Tudo bem que o galho demora meses a ser quebrado, mas um dia ele o é. Na minha história não tem Maria, não tem reis com presentes (se fossem livros até que podiam aparecer na história), não tem estábulo, não tem anjo, não tem nada. Só tem o carpinteiro e o bebê, quer dizer, minha estante.

Há muitos e muitos* anos atrás, quando eu comecei a fazer estágio e ganhar uma graninha extra, eu comecei a investir. Meus investimentos se baseavam em estocar objetos retangulares, das mais diversas cores e com réplicas no mundo inteiro (em outras línguas, claro), vulgo livros de literatura estrangeira. Eles eram guardados no móvel da TV em seus saquinhos individuais, obviamente. Com decorrer do tempo e o aumento das minhas relíquias, deu início ao conflito: onde eu enfiaria meus livros e onde enfiaria o material da faculdade? (Por favor, não me diga sua sugestão de onde eu enfiaria estes objetos).

Então, depois de vários meses, meu pai me deu um pequeno baú. Passei todo o material da faculdade para lá e continuei guardando meus livros no móvel da TV. Até que chegou o dia que, mesmo depois de eu já os terem colocados na horizontal para ocupar menos espaço, não cabia mais.

Minha coleção só crescia. Marian Keyes tinha chamado a Sophie Kinsella, que convidou o Philip Pullman, Tolkien e a J.K. E o número de convidados aumentava quase que exponencialmente.

Por isto, eu ameacei começar a colocar meus livros na minha cama e dormir no sofá da sala ou até de pé dentro do box do banheiro, quando meu pai, O Salvador (sim, o carpinteiro virou Salvador na minha história, ok?!) foi  iluminado (será que tinha um anjo nesta história e eu não captei?), levantou as mãos para o céu, olhou fixamente dentro dos meus olhos, piscou duas vezes,  abaixou as mãos no rumo do coração (sem drama, estão observando?)  e propôs: ‘Farei uma estante’.

Eu fiz o esboço em um papel de supermercado com as medições de altura, largura e comprimento, dimensionamento das prateleiras e blá-blá-blá. Fiz apenas uma exigência: minha estante teria portas de vidro, o lema seria: ‘Xô poeira’. Ah, e importante, eu disse que pagaria por todo o material, porque só assim eu poderia fazer pressão para a conclusão da grande obra.

Passou um mês...
...Dois meses...
...Três meses...
...Quatro meses...
...Cinco meses...
...Seis meses e... 

...Enfim a estante estava pronta. Era apenas esperar sair o cheiro da cera para que eu pudesse levar meu bebê para casa. Meu pai já tinha recebido até ofertas de compras da minha estante, mas se ele tivesse vendido, eu o teria matado. A minha sorte é que eu já era formada e teria direito a cela especial. Agora só faltava colocar o vidro.

O vidro estava pronto e dentro de um baú da loja de móveis dos meus pais, só esperando seu momento de ser colocado. Então, o que meu pai fez? Claro que ele esqueceu que o vidro estava lá e virou o baú. Resultado: vidro quebrado número 1.

Lá vai ele com as medidas para a vidraçaria de novo. Resmunguei tanto que o cara que fez o desenho no vidro o fez em um dia.

Cera passada e seca, vidro colocado. Minha mãe me liga: ‘Luciana, seu pai está subindo com a estante. Abre a porta para ele’. Como eu fiquei feliz naquele momento! Já estava espiritualmente conectada à nova integrante do meu quarto quando ouço um barulho:

Meu quarto dá para o portão da garagem e quando eu olho da janela, lá estava ela, minha estante, estatelada no chão, no meio da avenida movimentada. Há um desnível entre a rua e a garagem, então tem um morrinho bem puxado até o estacionamento. Meu pai não tinha amarrado a estante no carro, o ajudante dele apenas segurava a estante, e quando ele foi subir o pneu deslizou e lá se foi, a estante e vidro nº 2. As duas portas de vidro se resumiram a milhões de caquinhos, que eu tive que retirar com pinça.

Juro que não acreditei e quase chorei, quase. Meu pai ficou tão chateado, porque ele tinha gostado do resultado final, que eu não tive coragem de criticá-lo.

Mesmo assim, meu pai subiu com a estante e decidiu deixá-la em casa e trazer o vidro nº 3 para ser colocado aqui mesmo.

A estante enfeitou o corredor da sala um bom tempo.

E ao final do sétimo mês de gestação, voilà, eis meu bebê prematuro, minha estante.

Agora, minha estante encheu. Estou retirando os DVDs da estante e colocando-os em cima dela. Moro no nono andar e do jeito que estou exercendo meu poder de troca de dinheiro por outros bens (não falei compras, falei?), daqui a pouco os itens em cima da estante já estarão na altura da cobertura (18º andar do prédio).

Há uns três meses meu pai está fazendo um nicho para fixar na parede em cima da mesa de computador. Vou ganhar uma prateleira para minhas caixas, DVDs e até alguns livros. O vidro 1 já está pronto. Quantos serão feitos até meu nicho estar devidamente instalado?

E aí vai meu recado: Querido Papaizinho lindo do meu coração, tecnicamente amanhã já é 2011**, o que significa que ano que vem eu caso. Será que meu nicho fica pronto antes disso?
 
Moral da história:Em casa de marceneiro o espeto é de ferro’.
--------
*Coloquei 'muitos e muitos' para ficar mais dramático, ok?!
** Aproveitando a oportunidade, gostaria de desejar a todos um FELIZ 2011 e que este ano novo seja repleto de paz, saúde, amor, dindim, sabedoria e claro, muitos livrinhos para todos!!!

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

#39: A Batalha do Apocalipse (Eduardo Spohr)

Postado por Luciana Mara às 10:01:00 10 comentários Links para esta postagem
Sinopse: Há muitos e muitos anos, há tantos anos quanto o número de estrelas no céu, o Paraíso Celeste foi palco de um terrível levante. Um grupo de anjos guerreiros, amantes da justiça e da liberdade, desafiou a tirania dos poderosos arcanjos, levantando armas contra seus opressores. Expulsos, os renegados foram forçados ao exílio, e condenados a vagar pelo mundo dos homens até o dia do Juízo Final.

Mas eis que chega o momento do Apocalipse, o tempo do ajuste de contas, o dia do despertar do Altíssimo. Único sobrevivente do expurgo, o líder dos renegados é convidado por Lúcifer, o Arcanjo Negro, a se juntar às suas legiões na batalha do Armagedon, o embate final entre o Céu e o Inferno, a guerra que decidirá não só o destino do mundo, mas o futuro do universo.

Das ruínas da Babilônia ao esplendor do Império Romano; das vastas planícies da China aos gelados castelos da Inglaterra medieval. A Batalha do Apocalipse não é apenas uma viagem pela história humana, mas é também uma jornada de conhecimento, um épico empolgante, cheio de lutas heróicas, magia, romance e suspense.


Comentários: Sabe aqueles comentários de outros autores nas capas ou nas orelhas dos livros, elogiando a obra em questão? Eu sempre os via como puxação de saco, comentários puramente comerciais, que não deveriam levar muitos créditos.

Imagine, então, quando comparam o livro com a obra do Tolkien (admito que demorei a engatar a leitura de SdA) e todo o universo criado por ele? Logo de cara o que eu faço? Desconfio, claro... Mas daí, me entrego a leitura para tirar a prova.

E a palavra final após finalizá-la é: SURPRESA
---------
O mundo está na 3ª guerra, cada bomba, cada míssel é uma trombeta que indica o final do mundo. Basta chegar a sétima trombeta e acontecerá a destruição total. De acordo com Miguel, isto está escrito no Livro da Vida.

Ablon é um anjo renegado. Junto a outros 17 anjos ele foi expulso dos Sete Céus (em 3800 a. C.) após a traição de Lúcifer e, atualmente, vaga no Haled (Terra). Ablon vive no Brasil, um país neutro no conflito.

Lúcifer reside e comanda o Sheol (inferno) com seus duques e demônios. Em oposição a ele, temos seu irmão, Miguel (cujo objetivo sempre foi exterminar a raça humana). Há outros arcanjos Rafael (desaparecido), Gabriel (que quer enfrentar Miguel e Lúcifer) e Uziel (morto por Miguel). 

Todos aguardam o final do sétimo dia, que corresponde à sétima era da criação do mundo, em que Yahweh (Deus) despertará de seu descanso.

De volta ao passado, nos é relatada a busca de Ablon por Ishtar, uma querubim renegada aprisionada na Torre de Babel. Enquanto tentava achá-la e resgatá-la, Ablon encontra e salva Shamira, uma necromante também conhecida como Feiticeira do En-Dor. Eles se encontram por várias vezes durante toda a evolução do mundo, e juntos presenciam a destruição da Torre de Babel, a queda de Constantinopla... São apaixonados, mas, silenciosamente, decidiram ficar juntos apenas quando o mundo acalmasse.

No presente, Ablon chamou a feiticeira para que ela fizesse um feitiço de proteção para sua visita ao Sheol, a convite de Lúcifer. Então, ela marca duas runas em Ablon, uma para que ele reviva (uma única vez) e outra que ele não tenha a mente invadida.

Após o encontro com Lúcifer, e no qual Ablon negou aliança com ele na Batalha contra Miguel, Shamira é sequestrada pelo Anjo Negro, uma entidade misteriosa.

Em busca de Shamira, Ablon se alia a um dos arcanjos e voltará a ser o Primeiro General na batalha de decidirá todo o destino da humanidade.
---------
Há muitos acontecimentos que deixei de citar neste meu curto resumo (que acabou deixando a história mais romântica do que na verdade ela é, mas não resisti em dar um toque feminino no enredo). Há vários reencontros, destruições, mortes, lutas, traições, demonstrações de amor e amizade, que se eu relatasse em detalhes os faria perder a surpresa que é este livro.

O Spohr teve o dom de pegar alguns fatos da Bíblia, e transformá-las em uma história nova (dilúvio, destruição da Torre de Babel, de Enoque e Atlântida, de Sodoma, nascimento e crucificação do Salvador). Eu imagino que para escrever este livro foi necessária muita, muita, muita pesquisa. Ele fala sobre conflitos da atualidade e eventos bíblicos numa facilidade que me impressionou.

Não é à toa que ele se autodenomina nerd, e causa quinta-do-autógrafo-monossilábico-com-crepe. Ele deve ficar tão inserido no mundo criado por ele, que esquece o nosso (foi mal, não resisti. Espero que ele nunca leia isto, Amém!)

E sabe o que mais me impressionou? O modo como todas as peças se encaixam. Quando pensei que tivesse deixado uma ponta solta, vem o epílogo e resolve tudo. Fantástico!

Definitivamente este livro não fica aquém de um livro de literatura estrangeira. Ele acabou por minar o preconceito que eu tinha com a literatura brasileira (culpa dos professores que só nos fazem ler livros chatos na escola).

Ah... E há no final um glossário e uma linha do tempo que ajudam muito a acompanhar a história. Só senti falta de um mapa. Sou péssima em geografia e não conseguia visualizar os caminhos percorridos por Ablon. Dei uma olhada na edição ilustrada (e linda) que saiu, mas nela também não tem.



 
Onde comprar: Saraiva, Submarino 

Ps.: É meu 2º livro do Desafio de Férias. Queria não ter tido que ler correndo para terminar ainda em Dezembro. Acho que curtiria a leitura (ainda) mais.

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

#38: Ame o que é seu (Emily Giffin)

Postado por Luciana Mara às 13:18:00 13 comentários Links para esta postagem
Sinopse: Em 'Ame o que é seu' o leitor encontrará a história de uma mulher (Ellen) dividida entre o amor real e aquele fatídico “ E, se”.

O casamento de Ellen e Andy não parece perfeito, ele é perfeito. São inegáveis a profundidade da devoção mútua e o quanto um esperta o melhor do outro. Mas por obra do destino, certa tarde, Ellen revê Leo pela primeira vez em oito anos. Leo, aquele que partiu seu coração sem se explicar, aquele que ela não conseguiu esquecer.


Quando o reaparecimento dele desperta sentimentos há muito adormecidos, Ellen se põe a questionar se sua vida atual é de fato como ela queria que fosse.

Comentários: Quando comprei este livro quase saí na p#$$@%@ com a Saraiva. O livro não chama Ame o que é seu? Então, eu tinha amado a nécessaire que vinha de brinde com o livro (A-D-O-R-O brindes!!!) e quando recebi o livro, tinham engolido meu ‘presente’.

Entrei no chat, quebrei o p@| e eles me mandaram enviar o livro para a Saraiva e solicitar troca, que em seguida eles me mandariam o livro (de novo) junto da nécessaire. Como tenho pavio curto (quer dizer, não tenho pavio) briguei mais ainda. Resultado: eles me mandaram, em um pacote separado, a coisinha de plástico fininha, vulgo bolsinha mequetrefe. Mas eu comprei e ganhei, era meu direito. Conclusão: Não só ame, mas exija o que é seu!
---------
Enquanto atravessava um cruzamento, Ellen esbarrou nele. Há oito anos não o via e ela ficou desnorteada com o reencontro. A última vez havia sido quando eles terminaram.

Maior ainda foi sua surpresa quando, assim que ela entrou em uma lanchonete para se recuperar, seu telefone tocou. Era ele, Leo, com o mesmo cheiro e a mesma jaqueta de couro. Ele foi seu primeiro grande amor (e obsessão). E isto aconteceu no dia em que Ellen completava 100 dias de casada, com Andy. 

Ellen tinha o casamento perfeito. Seu marido era irmão da sua melhor amiga (Margot), era bonito, carinhoso, atencioso e tinha uma qualidade extra: era rico. Seu único defeito era se esquecer e acabar trocando os nomes das pessoas. Fora isto, tudo era perfeito. Literalmente.

Mas este reencontro não foi o único contato entre Ellen e Leo. Eles continuaram se falando e ele, que escrevia matérias para revistas, arrumou para Ellen, agora uma fotógrafa bem sucedida, uma sessão de fotos imperdível. E ela não perdeu! Arrastou sua irmã Suzanne a tiracolo e foi fazer as fotos. E quem estava lá para fazer a entrevista? Leo.

Neste meio tempo, Andy resolveu pedir demissão e assumir a empresa do pai, em Atlanta. Ellen concordou em acompanhá-lo, mesmo se afastando da cidade que mais amava, Nova York. Esta seria afinal, uma oportunidade de cortar o contato com Leo e manter seu casamento.

E foi na festa de despedida que a revista foi entregue. Andy estava meio chapado, mas o nome de quem escreveu a reportagem não passou em branco para Margot, que estava grávida e não podia beber. O cerco em torno de Ellen e seus encontros clandestinos estava se fechado.

Já em Atlanta, Ellen se sentia inútil e fútil. Então, no chá de bebê de Margot, ela acaba fechando com o Leo mais uma parceria texto/fotografia. Foi quando Margot a flagrou e ouviu sua voz toda derretida no telefone, e a ameaçou: ou Ellen contava sobre o Leo para Andy, ou Margot mesma contava.

Este não é o final. Há mais algumas passagens, outros acontecimentos, mas se eu contar estrago a surpresa. Só sei que fiquei agoniada com o final. Mas fiquei feliz. Pronto, parei de escrever.
---------
Eu já tinha lido O noivo da minha melhor amiga e Something Blue da Emily Giffin, então eu já imaginava o tipo de livro que eu encontraria. Seria uma leitura leve, com algumas passagens de humor e um momento chave de muita indecisão. E acertei. 

Apenas duas coisas me incomodaram:
1)    É Léo ou Leo? Com ou sem acento? Minha irmã disse que eu só reparei nisso porque eu tenho um Léo também.
2)    Queria que a decisão, a escolha final, tivesse sido inteiramente da Ellen, sem interferências.

A história não é extraordinária, inovadora ou totalmente surpreendente, mas foi uma história que me tocou e muito. Várias vezes me coloquei no lugar da Ellen e imaginei o que faria diferente na pele dela. Eu também gostaria de ter tido uma Suzanne em minha vida no momento decisivo.

O título é totalmente sugestivo! E é uma coisa que pretendo tentar adotar na minha vida. Recomendo!



Onde comprar: Saraiva

Ps.: Este é meu livro extra do Desafio de Férias. Ainda estou agarrada com A Batalha do Apocalipse.

domingo, 19 de dezembro de 2010

#37: Escuridão (Elena P. Melodia)

Postado por Luciana Mara às 22:29:00 11 comentários Links para esta postagem
Sinopse: Alma tem 17 anos, e nada em sua vida difere das meninas de sua idade: escola, programas com seu grupo de amigas, tédio e impaciência na relação com a família. Até o dia em que vê um caderno roxo numa vitrine e, por puro impulso, o compra. A partir daí, acontecimentos horripilantes começam a se suceder. Todos descritos em detalhes nas páginas do caderno...antes de acontecerem. Com a letra dela. Que não se lembra de ter escrito nada. Quem é Alma, na verdade? Quem é Morgan, seu misterioso amigo de escola, que parece ter respostas para o que está acontecendo? E como impedir que as forças do mal se aproximem dela e de quem ela ama?

Comentários: Assim como Alma viu o tal do caderno roxo e o comprou, eu li a sinopse do livro e o fiz.

Acho que ela ficou mais feliz com a compra dela do que eu, ou não, já que aquele caderno era bem sinistro. Como a pessoa totalmente imparcial que sou, eu declaro empate. Nós duas fizemos compras infelizes.

Alma tem 17 anos. Bonita e atraente, ela arranca suspiros e olhares de todos na escola que frequenta com suas três amigas: Agatha, Seline e Naomi.

Em casa, a história é outra. Sua família é totalmente destrambelhada: a mãe é enfermeira e quase não para em casa, o irmão é um revoltado com um piercing de alfinete na bochecha e a irmã caçula parou de falar quando viu o pai suicidar. O clima tanto em casa, quanto na escola (e no resto do livro também) é totalmente sombrio.

Mas apesar de tudo isso, Alma é uma pessoa segura. Quero dizer, era. Tudo muda quando Alma se dá conta do que está acontecendo.

O caderno roxo que a atraiu na vitrine da papelaria é o indício de que algo muito estranho está no ar. Dormindo, Alma escreve no caderno cenas de assassinatos antes deles acontecerem e de serem noticiados. Tudo está detalhadamente escrito: lugar, nome, profissão da vítima e descrição do crime. O único problema é que não há vestígios ou dicas sobre os assassinos. O delegado que investigou o acidente de carro em que duas amigas de infância da Alma morreram (e no qual ela não sofreu um arranhão) e Roth, um jornalista, são as fontes de pesquisa de Alma sobre estes assassinatos. Seriam rituais satânicos?

Além disso, suas amigas têm histórias bizarras e vários problemas:
a) Seline foi filmada seminua por Adam, um ex-peguete, e teve o vídeo espalhado na escola. Este fato resultou em uma garota com problemas de auto-estima e com início de distúrbios alimentares.
b) Agatha mora com uma tia que ninguém conhece. Ela nunca convidou suas amigas a irem a sua casa. E na vingança contra Adam, Agatha quase o cegou.
c) Naomi é atraída para um grupo fechado de adolescentes. Tudo é muito bem sinistro, e em uma das festas ela é literalmente detonada.

Todos os medos e problemas de Alma e das pessoas que a cercam são mantidos em segredo. A única pessoa capaz de entendê-la é Morgan, um colega de escola. Mas até ele esconde alguma coisa. Ele admite para Alma que, uma de suas neuras é verdade. Alma está mesmo sendo seguida por homens carecas, de chapéu e óculos (han?) e que ela tem que fugir sempre que encontrar com um. Estes caras são chamados de Master.

Alma sai à noite em busca de respostas, invade casas, pesquisa, é perseguida e tem um sonho de mais um assassinato, o qual ela poderia evitar. Ela conseguiu? Porque os Master a estavam perseguindo? Seline se recuperou? Qual é o segredo de Agatha? Naomi se reergueu? Porque Morgan sabia tanto sobre seus problemas? E o maldito caderno roxo, o que era?

Apareceram muitas perguntas e mais ainda foram as dúvidas ao final a leitura. Algumas coisas foram esclarecidas, mas outras aff...  ficaram totalmente vagas. Foram tantos os ganchos deixados pela autora para introduzir o próximo volume que a história ficou sem sentido.

Outro ponto negativo: faltou romance. Tinha Alma e Morgan lá, um baita clima rolando e nada! Frustração total.

A minha impressão foi que a autora teve a idéia da história do caderno roxo, e no decorrer do processo criativo foram brotando outros assuntos também viajados. O livro é bem escrito, mas a minha conclusão é de que ela não soube explorar bem a idéia inicial.

Minha conclusão 2: eu gosto de histórias coloridas. Estas histórias em que tudo é preto, têm um clima fúnebre, não combinam comigo. Mas eu já devia ter pensado que este livro seria assim, já que seu nome é Escuridão (dã).


Conclusão 3: Quer um conselho de amiga? Só compre Escuridão em mega promoção.

Conclusão 4: Só leio a continuação (quando lançar) se os livros custarem R$9,90.

Conclusão 5: Vou sumir um pouco esta semana porque tenho muito trabalho para fazer (o que é equivalente há muitas horas extras) para conseguir tirar meus 38 dias de férias (ueba!!!) a partir do dia 23. Tá, isto não tem nada a ver com a história. Mas é que terminar com o número 5 soa melhor na minha cabeça do que parar minhas conclusões no número 4. Tá viajei! Foi mal...



Onde comprar: Saraiva

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Lista de livros do DL 2011

Postado por Luciana Mara às 23:18:00 15 comentários Links para esta postagem
Sabe aquele ditado que brasileiro deixa tudo para a última hora? Pois é, ele se aplica inteiramente a mim.

Eu tive desde outubro para postar esta lista e ela só saiu agora, faltando uma hora para terminar o prazo. Ah, mas dá um desconto porque alguns temas eram bem difíceis e foi preciso muita pesquisa para que eu chegasse no resultado final (mentira! Fiquei desesperada e saí escolhendo a partir das listas dos outros participantes do DL, com a ajuda do Léo).

Escolhi os livros de forma a gastar o mínimo possível, ou seja, catei uns livros da editora Martin Claret e outros que o Léo já tinha.

A primeira opção é a oficial e as demais são as reservas. E seja o que Deus quiser...

Eis a minha lista:

Janeiro - Literatura Infanto-Juvenil
1- Como Treinar O Seu Dragão (Cressida Cowell)
2- Como ser um Pirata  (Cressida Cowell)
3- Como Falar Dragonês (Cressida Cowell)

Fevereiro - Biografia e/ou Memórias

1- Comer, Rezar, Amar (Elizabeth Gilbert Lambiasi)
2- Eu, Christiane F., 13 anos, drogada e prostituída (Kai Hermann e Horst Rieck)
3- O clube do filme (David Gilmour)

Março - Romance épico
1- Tristão e Isolda (Joseph Bedier )
2- O conde de Monte Cristo (Alexandre Dumas)
3- Dom Quixote (Miguel de Cervantes)

Abril - Ficção científica
1- A Ilha misteriosa (Júlio Verne)
2- Feios (Scott Westerfeld)
3- Perfeitos (Scott Westerfeld)

Maio - Livro-reportagem
1- 1808 (Laurentino Gomes)
2- Estação Carandiru (Drauzio Varella)
3- Rota 66 (Caco Barcellos)

Junho - Peças teatrais
1- Hamlet (Willian Shakespeare)
2- Eles não usam black-tie (Gianfrancesco Guarnieri)
3-  Eh... Fica em branco mesmo

Julho - Novos autores
1- Pobre Não Tem Sorte (Leila Rego)
2- Estrela Píer (Kamila Denlescki)
3- A Pílula do Amor (Drica Pinotti)
4- Sussurros de uma garota apaixonada (Mandy Porto)

Agosto - Clássico da literatura brasileira

1- Senhora (José de Alencar)
2- Lucíola (José de Alencar)
3- Noite na Taverna (Álvares de Azevedo)
4- A Moreninha (Joaquim Manoel de Macedo)

Setembro - Autores regionais
1- O menino maluquinho (Ziraldo)
2- Mandrake, a bíblia e a bengala (Ruben Fonseca)
3- Minha Vida Fora de Série (Paula Pimenta)

Outubro - Nobel de literatura
1- Elogio da Madrasta (Mario Vargas Llosa)
2- O velho e o Mar (Ernest Hemingway)
3- Neve (Orhan Pamuk)

Novembro - Contos
1- Histórias extraordinárias (Edgar Allan Poe)
2- Contos do esconderijo (Anne Frank)
3- Laços de Família (Clarice Lispector)

Dezembro - Lançamentos do ano
1- Surpresa!
2- Surpresa!
3- Surpresa!

Para tudo!
Você prestou atenção na lista?
Muita atenção?
Muita mesma?

Deu uma olhada especial em Maio?
1808!!! Finalmente vou ler 1808 e vou acabar com uma das minhas fontes de piadas. Este livro era sempre deixado de lado e eu prometi ler quando não tivesse mais nenhum outro (o que nunca aconteceria, amém!).
Agora vou ter que parar de tirar sarro de mim mesma por causa deste livro =/

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Brincadeira da Tag

Postado por Luciana Mara às 22:20:00 11 comentários Links para esta postagem
Mais um momento narcisista do TOC.
Assunto de hoje: EU!
  
Recebi a 'Brincadeira da Tag' da Kellen do Tudo Que Me Interessa e da Lets do Giяl's há algum tempo e só agora deu para postar, afinal, se eu ficar falando de mim o tempo inteiro geral vai enjoar (rs). Estas perguntas foram criadas pela Viviane Fair, do Recanto da Chefa.

Obrigada pela indicação, garotas!

As regras são:

1- Você coloca a foto de tagged no post.

2- Falar 10 ou mais coisas sobre você (qualquer coisa), 5 ou mais manias (esquisitices) suas, 5 ou mais coisas que te irritam, 5 ou mais coisas que você adora, 5 hobbies seus; 5 coisas que ninguém sabe sobre você; seu maior sonho; seu maior medo; as coisas mais importantes na vida pra você.OBVIAMENTE você não precisa escrever tudo; pode omitir algumas perguntas ou não responder. É uma brincadeira, não uma visita ao psicólogo!

3- Você ‘taggeia’ mais 5 pessoas para participarem da brincadeira!
Como muita gente já respondeu, vou deixar em aberto. Sintam-se à vontade para responder.

Bora lá:

10 coisas sobre mim:
- Sou pão-dura.
- Não gosto de bichos.
- Amo violino (na próxima encarnação vou passar na fila dos dons musicais e pedir para eu ter o dom de tocar - aproveito e peço cabelo liso, olhos claros e só mais um pouquinho de carne em lugares estratégicos).
- Quando me ligam do serviço, toca psicose.
- Até pouco tempo comprava roupa na seção infantil.
- Durmo coberta, mas com o ventilador ligado.
- Queria ser investigadora, tipo os personagens de CSI.
- Adoro hidratante! Cada dia tenho um cheiro diferente.
- Não sei nadar.
- Adorava educação física, principalmente jogar futebol. Eu corria também (tenho medalhas de 100m e 300m). Me chamaram para treinar em uma equipe, mas preferi estudar para o vestibular.

5 manias minhas/esquisitices:
 - Quando leio no ônibus costumo trocar o relógio do braço esquerdo para o direito. Na minha cabeça é um alerta para as pessoas: não conversem comigo porque estou muitoooo ocupada.
- Guardo todos os meus livros em saquinhos individuais. Ai de quem amassá-los, porque eu viro fera!
- Amo chocolate! Mesmo que eu não coma, eu tenho que ter chocolate em casa. Se não tiver eu fico desesperada e começo a surtar, tendo crise de abstinência.
- Uso sempre o mesmo marcador de livro (transparente que veio em uma agenda há vários anos).
- Faço coleção de revistas GLOSS. Tenho desde a 1ª edição.

5 coisas que me irritam:
- Falta de compromisso.
- Escutar músicas na mesma sequência.
- Quando as minhas coisas desaparecem e aparatam (sozinhas) no quarto da minha irmã.
- Trocentas milhões de janelas abertas no computador e a área de trabalho lotada de ícones.
- Gente que acha que só porque está pagando está 100% certo (morro de vontade de sair na porrada, nem que seja porrada virtual).

5 coisas que eu adoro:
- Adoro a palavra PROMOÇÃO!
- Comprar/ler/ver/usar livros, dvds e bolsas (grande novidade!).
- Sair com o Léo para enchermos nossas pochetes (vulgo barrigas), ir ao cinema, andar à toa (dando uma passada na livraria, ÓBVIO!) ou até mesmo ficar em casa vendo TV ou jogando HP de Lego ou Guitar Hero no Playstation.
- Reunião de família, encontrar os amigos e colocar a fofoca em dia.
- Receber e-mails. Adoro ler e-mails com besteiras (só não me envie correntes que não leio e nem encaminho) e conversar com as minhas amigas o dia inteiro por e-mail ou chat.

5 hobbies:
 - Ler (dã) e ver séries de tv.
- Sou ótima de cama, durmo que é uma beleza.
- Checar todos os dias os sites para ver se tem promoção.
- Ficar horas e horas na net de bob's.
- Mandar SMS.

5 coisas que ninguém sabe sobre mim:
 Todas as coisas alguém sabe, mas vai como se fossem curiosidades:
- Usava luvas para ir à escola no pré, imitando a Maria Joaquina de Carrossel.
- Cantei 'Sonho meu' da Xuxa na formatura de 3º período e fiz todo mundo errar a letra da música.
- Quando eu tinha uns 4 anos, minha mãe foi lavar o aquário no banheiro e o peixinho pulou dentro do vaso. Eu, sem pensar 2 vezes, dei descarga. Nós nunca mais tivemos peixes.
- Não sou muito de pensar o que fazer. Escolhi o curso que eu ia prestar vestibular no momento da inscrição. Estava em dúvida entre economia, ciências atuariais e estatística.
- Quero escrever um livro. Só tenho os 2 primeiros (mini) capítulos. Não tenho sinopse, nem título, só algumas idéias.

Meu maior medo: Perder as pessoas que eu amo.

As coisas mais importantes pra mim: Minha família (Léo, você está aqui, ok?!), meus amigos, meus livros e meus DVDs. Necessariamente nesta ordem.

Em breve posto os selinhos que recebi =)

XOXO, Gossip Girl!
Sempre quis falar/escrever isto (rs).

sábado, 11 de dezembro de 2010

#36: Fade (Lisa McMann)

Postado por Luciana Mara às 00:59:00 7 comentários Links para esta postagem
Sinopse: Para Janie e Cabel a vida real está se tornando mais difícil do que os sonhos. Eles estão tentando (em segredo) passar um tempo juntos, mas ainda não tiveram esta sorte. Coisas perturbadoras estão acontecendo em Fieldridge High, mas ninguém quer falar a respeito. Quando Janie penetra os pesadelos violentos de um colega de classe, o caso finalmente se torna claro, mas nada sai como planejado. A cabeça confusa de Janie e o comportamento chocante de Cabe têm graves consequências para ambos. Pior ainda. Janie Descobre a verdade sobre si mesma e sua habilidade. E é desolador. Realmente desolador. Não só o seu destino está selado, como o que está por vir é muito mais sombrio do que seu pior pesadelo...

Comentários:
7 de dezembro de 2010, 20h45

Luciana não enxerga nada.
Isto é porque a luz está apagada.
Ela levanta da cama, acende a luz, abre a porta de vidro da estante e escolhe um livro.
Fade.

8 de dezembro de 2010, 1h12

Luciana está nadando.
Em uma caixa forte.
Ela é o tio Patinhas! Ela vai gastar tudo em livros. 
Irmãos metralhas vão invadir e roubar seu rico dinheirinho? NÃOOOOOO!!!
Ela faz uma força e transforma o sonho. Agora é só seu pai mandando que ela compre roupas e não livros. Ela preferia a visita dos irmãos metralhas.


Ela acorda assustada.
Luciana levanta para beber água. Ela aproveita e dá uma passadinha no banheiro.
Ninguém em sua casa sonha (pelo menos ela não ouve nenhum gemido)
Ela volta a dormir.

8 de dezembro de 2010, 7h40

Ela começa a ler Fade.

10 de dezembro de 2010, 21h53

Ela termina a leitura.
Ela pensa. Está em dúvida em relação ao que achou da história.
Luciana escreve.

Então, deu para sentir o drama de como a história é contada? Ela é mais ou menos assim, como descrito acima. É contada em terceira pessoa, em letras enormes com espaçamento maior ainda, e com diversas datas, horas e pontos finais. Sempre envolvendo sonhos, dúvidas e escuridão.

Continuação de Wake (Clique AQUI para ler a resenha), em Fade continuei acompanhando a história de Janie, uma apanhadora de sonhos.

Janie não pode ficar em um mesmo ambiente de alguém que está dormindo e sonhando, pois ela acaba sendo sugada para dentro deste sonho. Sua mãe é uma alcoólatra e sua amiga Carrie só liga para ela quando seu namorado, Stu, está ocupado. Felizmente agora Janie tem Cabel, um emprego como detetive e uma bolsa de estudos na faculdade. Ela só precisa formar no colégio.

Mas nada em sua vida é bom o suficiente. Mesmo malhando com ajuda de Cabe e se alimentando com frequência, Janie sente que algo está errado: todas as vezes que mergulha nos sonhos alheios, quando retorna, ela está com os membros retorcidos e enxerga tudo borrado (será que ela toma Ponstan?*).

E, para piorar a situação, ela recebeu uma missão da capitã, a chefe da delegacia onde trabalha como agente secreta. Ela e Cabel devem investigar todos da escola porque receberam na delegacia uma ligação anônima que indicava uma cena de estupro envolvendo jovens em um ambiente com música alta. Todos os professores da escola são suspeitos, e Janie é a isca para pegar o criminoso, deixando o super protetor e fofíssimo Cabe p#$@ da vida.

Neste meio tempo, a capitã dá a Janie todos os arquivos de Martha Stubin, uma apanhadora de sonhos já falecida, a qual Janie conheceu. O diário escrito por Martha mostra o que Janie terá que enfrentar.

Janie dará conta do seu fardo? Será que eles desvendaram o crime? Cabel é capaz que frear seus sentimentos com lucidez?  Só lendo, porque parei por aqui.

Então, gostei mais de Fade do que de Wake, apesar de ter ficado um pouco frustrada com o desfecho da investigação. Eu gosto de histórias que você fica de queixo caído quando descobre o culpado, e isto não aconteceu.

Gostei mais deste livro porque eu já sabia o que esperar, já sabia como seria a narrativa e já tinha uma idéia geral do que acontece com Janie. Também já conhecia Cabe direito e confesso que sempre que tem romance a história ganha mais uns pontinhos na escala Luciana de qualidade.

E o Cabe? Ele está um amor! Este livro tem umas passagens de romance fofíssimas que eu, particularmente, adorei! Ele é um ótimo candidato a entrar na minha Lista (ele tá disputando o posto com o Z. de homem com cicatriz top do top).
E o destino de Janie? Juro que eu piraria (se é que se fosse eu a entrar em sonhos e também pesadelos, já estaria pirada há muito tempo).
 
Agora é esperar Gone, livro que fecha a trilogia. Li uma resenha no Skoob dizendo que a gente chora no final. Espero não chorar de raiva. Sempre tenho medo dos finais, porque na maioria das vezes eles me decepcionam.


Este é um dos meus livros do Desafio de Férias!

Onde comprar: Saraiva, Submarino

*Há algum tempo, eu ficava momentaneamente cega de um olho. Tudo ia escurecendo, escurecendo e eu não enxergava nada. Fui ao oftalmo, neuro, fiz aqueles eletro-alguma-coisa e nada. Os resultados deram normais. Em uma lida na bula a mamys descobriu que era um efeito colateral do Ponstan: “perda reversível de visão”. Parei de tomar e tudo voltou ao normal. Vou dar esta dica para a Janie =)

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

#35: Persuasão (Jane Austen)

Postado por Luciana Mara às 20:31:00 13 comentários Links para esta postagem
Sinopse: O enredo deste empolgante livro gira em torno dos amores de Anne Elliot que se apaixonara pelo pobre, mas ambicioso jovem oficial da marinha, capitão Frederick Wentworth. A família de Anne não concorda com essa relação e a convence romper seu relacionamento amoroso. Anos após Anne reencontra Frederick, agora cortejando sua amiga e vizinha, Louisa Musgrove.

Comentários: Crepúsculo me fez conhecer Jane Austen, o que já valeu minha fissura na época.

Então, resolvi fugir do fantástico e do contemporâneo e falar sobre mais um clássico da literatura inglesa que li há pouco tempo, Persuasão.

Anne é a filha do meio do baronete Sir Walter Elliot, de Kellynch Hall. Sua irmã mais velha, Elizabeth, era o xodó do pai e após a morte de lady Elliot, se tornou a senhora da casa. Mary, a caçula, se casou com Charles Musgrove e se mudou para Uppercross Cottage.

Relegada ao máximo, Anne só tinha amizade e companhia de lady Russell, uma mulher madura e cheia de posses e que muito interferiu na vida de Anne.

Aos 19 anos Anne conheceu Frederick Wentworth. Eles ficaram perdidamente apaixonados, ele pediu sua mão em casamento e ela aceitou. Porém, Wentworth não tinham dinheiro nem posses e Anne foi persuadida por lady Russell a romper o compromisso. Sete anos se passaram, Anne não encontrou mais ninguém e também não o esqueceu.

Agora, apesar do título e pompa, a família Elliot estava falindo e por isto tiveram que sublocar a mansão e se mudar.

Então, os reencontros começaram.

Anne, antes de mudar com seu pai e irmã, foi convidada a passar alguns meses com a família de sua irmã, a hipocondríaca e carente, Mary. Entre várias recepções e festas na casa dos sogros de Mary, o tempo passou e chegou o dia de conhecer os novos moradores de Kellynch Hall, os Croft. Por ironia do destino, a sra Croft era irmã de Frederick.

Apesar de Anne evitar ao máximo, o reencontro acontece. Frederick é frio e distante, mas depois daquele chute na bunda, não era de se esperar outra coisa. Mas agora, ele tinha feito fortuna na navegação. O capitão Frederick Wentworth, era digno de disputa. E foi isto o que aconteceu entre Louise e Henrietta, cunhadas de Mary. Mas entre as duas, era uma disputa amigável, sem ressentimentos e sendo observadas de perto por Anne e seu coração partido.

Então, para passar o tempo os Musgrove, o capitão e Anne marcam uma viagem à Lyme. Louisa sofre um acidente, precisando do apoio de Frederick e Anne observa e é observada por um homem misterioso. 

Logo ela descobre que este homem é seu primo, viúvo e herdeiro de seu pai, que após vários anos quer se reconciliar com a família. Ele dá em cima de Anne, sob o olhar vigilante do capitão. Anne não poderia estar mais confusa. Sr Elliot, Louisa, e a indecisão de Frederick que ora a ignorava e ora conversava com ela. Será que os dois ainda teriam uma segunda chance?

Persuasão agora é meu segundo livro preferido da Jane Austen, perdendo apenas para Orgulho e Preconceito (Ai... Mr. Darcy. Como não suspirar por você?).

Não sei se são em todas as publicações deste livro, mas no meu há a primeira versão que a JA escreveu da reaproximação de Anne e o capitão Frederick. Nesta versão há mais diálogos (o que eu senti que faltou um pouco na versão final), mas não haveria a carta que o Frederick escreveu a Anne.

E o que foi aquela carta no final? Li, reli e (re)reli!!! É linda!

Os livros da Jane Austen são como as histórias de Gossip Girl, sem drogas e sexo. Os personagens só viajam, vão a festas, tentam encontrar o melhor partido, se intrometem na vida alheia e fofocam bastante (querida Jane, não brinque comigo e apareça de noite para mim com objetivo de me xingar, ok?!).

Super recomendo!



Onde comprar: Saraiva, Submarino
Leia também: Emma

sábado, 4 de dezembro de 2010

#34: Sábado à Noite (Babi Dewet)

Postado por Luciana Mara às 23:59:00 13 comentários Links para esta postagem
Sinopse: Amanda é popular na escola e os amigos do seu amigo de infância são considerados os ‘marotos’ do pedaço por desrespeitarem as regras. Tudo ao seu redor acaba desmoronando quando um amor mal resolvido volta à tona e a sua amizade é posta em prova. Se não bastasse, seu diretor resolve dar bailes aos sábados e uma misteriosa banda mascarada foi convocada pra tocar. Mas suas letras dizem tanto sobre ela… quem serão esses mascarados de Sábado à Noite? 

Comentários: Quando vou à livraria, obviamente após escolher o livro (que vou comprar pela internet) pela capa, sabe o que eu busco enquanto folheio? Diálogos. Livros sem travessões ou aspas é o fim da picada para mim (vide 1808 que está há anos esperando uma oportunidade de ser lido).
 
E porque eu estou falando isso? Porque Sábado à Noite, ou SAN como é conhecido, é o livro com o maior número de diálogos que já li. Ele foi originado de uma Fanfic da Babi envolvendo a banda McFly, e acredito que isso justifica o elevado número de diálogos. Era uma brincadeira que virou coisa séria!
E esta é mais uma história de amor adolescente. Ai, ai... eu adoro isso!

Amanda espera Bruno nos degraus da escada da casa dele para irem juntos ao colégio. Eles são amigos de infância e se gostam muito, mas quando chegam à escola suas vidas se separam.

Ela é do grupo das populares, ele dos perdedores. E se assim como eu você achou que este era o casal principal da trama se enganou.

Daniel, amigo do Bruno, gostou de Amanda desde o instante que a viu. O mesmo pode se dizer dela. Isto foi há muito tempo atrás. Mas Guiga, uma de suas amigas, na época também se encantou com o garoto. E como escolher entre o namoro com Daniel e amizade de Guiga?

Na escola, os dois grupos se evitam. Não pegava bem para as garotas conversarem com os meninos que mais aprontavam no colégio, também conhecidos como ‘marotos’. Mas a mistura dos grupos foi impulsionada por uma tarefa da aula de artes. A professora juntou os alunos em duplas e pediu que eles escrevessem uma música. Para desespero de Amanda, ela foi escolhida para fazer dupla com Daniel. Como seria possível esconder todo aquele amor que ela sentia?

Mas Daniel e Amanda não resistiram. Resolveram ficar juntos, mas não se assumiram por causa do grande segredo de Amanda. Por isto dúvidas pairavam na cabeça de Daniel: ‘Será que ela tem vergonha de mim? Porque ela pode ser vista com todos os caras do colégio e comigo não?

Jantares românticos, praia, beijos na chuva, encontros embaixo da árvore, na salinha da limpeza da escola, dentro do carro a là Jack e Rose em Titanic. Tudo sempre às escondidas. E todas estas cenas são temperadas com confusões, desentendimentos, incertezas e tendo como trilha sonora as músicas compostas e tocadas por um grupo de quatro garotos mascarados.

O diretor teve a idéia de promover bailes no colégio todo sábado à noite. Uma atmosfera de mistério envolvia a identidade dos garotos, o que os deixavam mais atraentes aos olhos do grupo de meninas. Mas algo estranho estava acontecendo. Amanda sentia que todas as músicas estavam relacionadas a ela e sua história de amor impossível. Seria mera coincidência?

Resumindo: Bruno é amigo de Daniel, que é apaixonado por Amanda, que é apaixonada por Daniel, mas Guiga, amiga de Amanda, também era apaixonada por ele, mas agora está com uma quedinha por Fred, que junto com Daniel, Caio, Rafael e Bruno formam o grupo dos marotos, sendo que Bruno é ex-namorado de Carol, que junto com Anna, Guiga, Maya e Amanda formam o grupinho do topo do top da escola. Ufa! Existem estes e mais um emaranhado de relacionamentos, encontros e desencontros e um grande mal entendido.

Quem eram os garotos da banda Scotty e se tudo deu certo no final, só se descobre lendo Sábado à Noite.

Cinco meninos e cinco meninas. Foram tantos personagens e eles falavam tanto que de inicio admito fiquei meio perdida, mas depois de um tempo me acostumei. A história é leve, divertida e tem um final nada clichê.

E o que foi aquele final? Eu adorei! E posso adiantar que é um prato cheio para uma continuação. A Babi disse que vai sair a continuação, então estou aguardando! \o/

Ah... e juro que imaginei os personagens morando em Newport Beach e sendo vizinhos do Ryan, Seth, Marissa e Cia. Carros conversíveis (com menores dirigindo), bailes de gala, bebidas é muito O.C.

E apesar da Amanda e do Daniel serem os personagens principais, eu confesso que gostei mais da Anna e dos outros meninos. O Bruno, Caio e Fred são engraçadíssimos.

Sabe quando você tem vontade de entrar na história e fazer alguma coisa? Então, eu queria fazer isso e dar uns tabefes na Amanda e umas sacudidas no Daniel. Ela era muito mimada e ele foi frouxo algumas vezes.

Sempre que me deparo com livros assim, bate uma saudade da minha adolescência. Acho que vou reler minhas agendas.

 
  

Onde comprar: Site da Babi Dewet

Ps1: Miojo com brócolis? Irgh! Mas com certeza este menino ia gostar (Clique AQUI). 
Ps2: A capa do livro é linda! Como eu tinha esquecido de falar isso?

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Selinho nº1

Postado por Luciana Mara às 23:01:00 12 comentários Links para esta postagem
Quem me conhece sabe que eu adoro falar
5 minutos conversando e já era.
Rolou química, afinidade, pegou intimidade? Bora fofocar horas e horas...

E falar sobre mim é fácil, quando eu lembro os fatos, claro.
Minha memória é horrível. Preciso anotar tudo ou esqueço.
Já nem lembro o que eu comi no almoço. Peraí, eu almocei hoje?

Eu estou adorando essa interatividade dos blogs através de memes e selinhos.
É uma atividade super legal, que proporciona um conhecimento maior das pessoas por trás das resenhas.

E aqui vai um selinho que recebi da Dri e da Cíntia. Obrigada garotas!


Regras:
Falar 9 coisas sobre mim

1 – Sou viciada em comprar livros (deu para perceber, né?!), séries e bolsas (esta com menos frequência,  são mais caras =P)
2 – Sou formada em Estatística e sou técnica em edificações (que nunca exerci). Já quis ser jornalista, bióloga, engenheira, arquiteta, advogada, geóloga e ‘catora’ (quando tinha três anos, e não sabia falar cantora)
3 – Namoro há 8 anos. O Léo foi meu único namorado. Éramos da mesma sala no ensino médio.
4 – Nunca uso cabelo solto.
5 – Escrevo em agenda, tipo diário mesmo, sabe?! Faço desde os 10 anos e não consigo parar.
6 – No banco de trás do carro só sento atrás do banco do motorista.
7 – Tenho três furos em cada orelha. Nunca tiro os brincos do terceiro furo. Minha orelha pode cair de tão inflamada que os brincos continuam lá.
8 – Não gosto de conversar ao telefone com quem eu não conheço, seja sobre assunto profissional ou não. Detesto reuniões também.
9 – Quando posso evitar, não piso em chão molhado. Só piso quando tá chovendo (passo no meio da rua, pulo poça, faço qualquer coisa).

Juro que eu sou normal =) 


Colocar o link de quem te indicou


Indicar o selinho para 9 blogs

Girl's (Letícia)
Danificável (Dani)
Fatos e Livros (Priscilla e Bia)

E logo, logo tem memes e selinhos, o retorno!

terça-feira, 30 de novembro de 2010

‘Perdoa-me pai, eu comprei’ – Novembro

Postado por Luciana Mara às 20:51:00 10 comentários Links para esta postagem
Este foi um mês de economia em relação às compras de livros.
 
Sr. P. com certeza me daria um presentinho em reconhecimento ao meu esforço. Será que se eu pedisse uns DVDs, colava? Preciso urgentemente de: Supernatural (5ª temporada), Fringe (2ª), GG (3ª), Glee (1ª)...
 

Cheio de Charme - Marian Keyes
 A Estrada da Noite - Joe Hill
 Strange Angels - Lili St. Crow
 Fade - Lisa McMann
 Névoa do Tempo - Claudia Gray
 A Batalha do Apocalipse - Eduardo Spohr


Oh, eu disse que fiz economia em relação aos livros, ok?!
Ele não precisa saber que comprei todas as temporadas de Sex in the city e ainda nem abri. O DVD de Uma Linda Mulher nem conta, né?! É um clássico!!! Tinha que ter em casa (ainda está lacrado, mas xiii... é segredo!).

E mais uma vez a quinta-da-pizza sofreu uma mutação.
Agora virou quinta-do-autógrafo-monossilábico.
Han? Muita calma nesta hora, que eu vou explicar. Senta que lá vem história....

Eis a nova saga:

Início de novembro   
Fiquei sabendo que ia ter noite de autógrafos de A Batalha do Apocalipse, no Pátio, às 19h.
Tá bom que eu não tinha o livro (e não compraria na livraria porque o preço é os dois olhos da cara) e não sabia como chegar ao Pátio sozinha, mas estes eram meros detalhes.
Falei no Twitter e a Nanda (Viagem Literária) disse que ia também, que a gente podia se encontrar lá.  Eu SÓ tinha que providenciar o livro antes.

Dia 11 de novembro.
Meu livro chegou \o/

Dia 15 de novembro.
Intimei minha companheira de quinta-da-pizza para mais uma noite de autógrafos. Ela topou.
Desta vez, combinamos de ir de tênis.

Dia 17 de novembro.
Gripe maldita! Ia ter que cancelar a saída. Mandei recado para Gi e para Nanda.
Recebi uma ameaça de morte.
Resolvi espalhar o vírus da minha gripe no Pátio.

Dia 18 de novembro.
Confirmei a saída.
Conhece o ditado ‘Quem tem Google vai a qualquer lugar?’. Pois é, vou patentear. Imprimi um mapa com o trajeto do ônibus.
A Nanda me passou o celular dela. Estava trabalhando e anotei o número na agenda do serviço. Combinamos de nos encontrar às 18:15.
Spray de própolis o dia inteiro na mão. Meus olhos estavam lacrimejando.
Meu corpo estava ruim. Resolvi deixar algumas coisas no escritório, para esvaziar a bolsa.
 
17:45 saí.
17:50 nada do ônibus
17:55 nada ainda
 
Eu estava atrasada. Tinha que mandar uma mensagem para Nanda, porque a Gi já está acostumada como os meus atrasos. Cadê o tel dela? Anotei na agenda. Cadê a agenda? Deixei no serviço para deixar minha bolsa mais leve. Aff...
Ligo para o escritório (eles me retornam a ligação - gasto $$$ com livros, não com ligações =P).

- Paula, procura um número de celular na minha agenda, por favor?
- Claro, Lu. Que nome?
- Fernanda. Mas não está no índice telefônico não, anotei nas páginas mesmo.
- No dia de hoje?
- Acho que foi.
- Tá não.
- Então está nas páginas para trás do dia de hoje. Anotei na página do lado direito.
- Te ligo quando encontrar.
- Ok!
Porque não estamos em Janeiro? Seriam só 15 páginas para ela olhar.

18:00 Aleluia! O ônibus.
18:03 Meu celular toca.
 
- Lu, só achei Nanda, serve?
- Serve!!!
- É 8888-meia mole, meia dura.
- Valeu.

Mandei a mensagem:
‘Estou sentindo vibrações de atraso da minha parte, mas as vibrações são de baixa frequência. Bjim e até daki a pouco’
E recebi
    ‘rs ok. Estou perto, mas já ta aquele trânsito’
Menos mal.

Fui me guiando pelo meu mapa. Não vi quando passamos na Avenida do Contorno.
- Moço, já estamos chegando na Av. Senhora do Carmo? – eu perguntei para o cara que estava do meu lado.
- Já estamos nela.
Foi o tempo de dar sinal e descer.
Pronto. E agora? Onde ficava a Leitura? Dei uma volta e achei.
Encontrei com a Gi e ficamos esperando a Nanda em frente à livraria.

Nós três, numa livraria só podia sair o que?
- Já li/Eu tenho/Você tem que ler/Minha vida depende de eu adquirir este livro!!!

19:00
Subimos para o salão.
Ficamos uns 40 minutos na fila.
O QI naquele lugar estava altíssimo pela cara do pessoal. Maior número de nerds por metro quadrado que eu já vi na vida.

Mulher quando junta é uma tristeza, a gente fala mesmo.
E falamos de relacionamentos, livros, família, filmes, lançamentos, do pessoal que estava lá. Papo vai, papo vem, eu e a Nanda descobrimos que nossas irmãs poderiam se conhecer da facu. Ficamos de investigar.

40 minutos na fila e 4 segundos na nossa vez.
Tudo se resumiu a:
- Qual seu nome?
- Luciana.
Ele autografou e acabou!!! Como assim? Tudo bem que eu ainda nem tinha lido o livro (na verdade, nem tinha tirado ele do saquinho até a hora do almoço), mas só isso?
Pelo menos teve refri 0800 (e com gás) =P

Disseram que o Eduardo ia falar depois dos autógrafos. Mas se ele só tinha sido monossilábico antes, resolvemos aproveitar mais o nosso tempo e saímos para comer.

Então a quinta-da-pizza virou quinta-do-autógrafo-monossilábico-com-crepe.
Sabe como é, estou de regime (cof...cof...cof...) então fiquei só no salgado. Só eu e a Gigi paramos no salgado.

No final, valeu pelo papo.
Conclusão: mais vale uma noite de autógrafos-monossilábicos-e-fofocas com pessoas queridas que duas noites de bob’s em casa.

Ps1: Disseram que ele foi super simpático no bate-papo, mas como fomos embora não ponho minha mão no fogo.
Ps2: Nossas irmãs são da mesma sala! BH definitivamente é um ovo de codorna anã.

sábado, 27 de novembro de 2010

Desafio de férias – 2010/2011

Postado por Luciana Mara às 11:54:00 13 comentários Links para esta postagem
Ahhh...
Férias, férias, férias!
Só de pensar/ler/escrever/sonhar com esta palavra eu começo a suspirar (ou pelas férias, ou pelo Luke de Férias!, entenda como quiser).

E falando em férias (ui^2), veio um novo desafio.
Este foi proposto pela Pâm, do Garota It. A idéia do desafio é incentivar a leitura, nos meses que, teoricamente, as pessoas estariam de férias (aiii... saudades do meu tempo de faculdade... três meses de férias era um sonho!)

Então a proposta é simples. É só ler e resenhar no mínimo dois livros por mês, nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro. Depois, é só postar o link da resenha no post referente ao mês no blog da Pâm (a resenha pode ser feita no skoob também), e voilà! Clique AQUI para conhecer as regras detalhadamente.

E ainda serão sorteados prêmios entre os participantes (que com certeza, com a minha sorte em sorteios, já sei que não vou ganhar ¬¬)

Humm... Estou pensando...
Então vai a minha lista:

Em Dezembro, a história de duas pessoas que eu curto muito, dois ídolos:
 

O Diário do Fiuk
Geisy Arruda - Vestida Para Causar





Curto bemmm longe da minha estante. Claro que eu estou zuando, nem bebi água de privada hoje ainda (rs).
Agora é sério, juro: 


 Dezembro:
A Batalha do Apocalipse (autografado =D)
Fade (Continuação de Wake)


 
Janeiro: 
Cheio de Charme (todo janeiro leio um da diva MK)
Como treinar o seu dragão (o filme é fofo d+!)

 

Fevereiro:
Comer, rezar, amar (para poder ver o filme)
A Pirâmide Vermelh
a (adoro RR)




Ahhh... Importante: a lista de leitura pode ser alterada, ok?!

Ps.: Sim, eu sei que eu ainda não fiz a lista para o DL2011, mas vou fazer em breve, prometo! Mesmo porque é só posso me inscrever até dia 15 de dezembro.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

#33: Névoa do tempo (Claudia Gray)

Postado por Luciana Mara às 22:32:00 5 comentários Links para esta postagem
Como eu sou muito, muito, muito gente boa (e o troféu de convencida do ano vai para: Luciana Mara!!!) aviso que, caso você não queria saber sobre a reviravolta que há em Noite Eterna (Clique AQUI para conhecer o início da série) e a continuação Caçadora de estrelas (Clique AQUI) leia a partir da seta com a indicação de fim dos spoilers.

Após o incêndio na Noite Eterna causado pela traição de Charity, Bianca e Raquel fogem com Lucas para a Cruz Negra e se alistam como novatas nesta organização que tem como objetivo a caça de vampiros (final de Caçadora de estrelas).

Agora Bianca aprendeu a lutar. Apesar de estar furiosa com os vampiros, principalmente seus pais que não lhe contaram sobre o que ela pode se tornar se não matar um humano  e por esconder o trato com os fantasmas que foram à Noite Eterna atrás dela, Bianca não se consegue matar vampiros.

A sra. Bethany e outros vampiros, por vingança ao ataque na escola, atacam a sede da Cruz Negra. E crac... (isso foi um pescoço quebrado). Mas a Cruz Negra consegue capturar um vampiro: Balthazar (NÃOOOO!!). Eles o torturam, mas com ajuda ele escapa. Charity descobre e persegue Bianca, pois quer saber onde seu irmão está.

Bianca permanece na Cruz Negra camuflada. Todos acreditam que foi sequestrada e criada por vampiros. Ela precisa se alimentar e se alimenta de Lucas novamente. Porém, Raquel e Dana (que agora são um casal o.O) a surpreendem tomando uma bolsa de sangue. Elas prometem manter segredo, mas uma dela os trai.

A Cruz Negra descobre o segredo do casal e os prende. Eles fogem, e precisam sumir. Sorte que eles têm Balthazar e Vic para ajudá-los. Eles passam a viver na adega da casa de Vic.

Bianca continua tendo sonhos que parecem visualizações do futuro, mas tudo é nebuloso. Não há quem possa dar respostas. Além disso, Bianca está fraca e com tonteiras. Ela não sente fome nem de comida, nem de sangue. O que está acontecerá com ela? 

E ainda há luta e caça à Charity.

O broche que Lucas deu para Bianca em Noite Eterna e a pulseira que ela ganhou dele de aniversário neste livro não devem ser esquecidos (nota mental para quando eu for ler o próximo livro).

=> Fim dos (possíveis) spoilers

Apesar de continuar dando algumas mancadas, Bianca cresceu. Não a vejo mais como uma adolescente perdida e sim como uma adulta seguindo seu caminho. Mas que caminho tortuoso, viu...

Assim como os livros anteriores, Névoa do Tempo é marcado pelas reviravoltas e pelos novos cenários, o que eu acho muito bacana.

Mas sinceramente não gostei do rumo que a história tomou. Eu esperava aquele destino para Lucas, mas o da Bianca eu suspeitava, mas torcia do fundo do meu coração que a minha imaginação fértil estivesse errada. 

Neste livro o Lucas está tão fofo, mas tão fofo que quase esqueci que o Balthazar aparece pouco (QUASE esqueci). O Vic é outro. Quem desconfiaria que ele soubesse do segredo da Noite Eterna? Eu nunca! 
  
Agora só resta esperar a publicação de Afterlife em março de 2011. Torço para que a Claudia não faça igual à Stephenie Meyer e f#$@ tudo no final (não, não gostei de Amanhecer, Renesmee e sem luta? Aff... Só gosto até o capítulo da Ilha Esme). Tá, eu gosto de finais felizes, mas eu acho que eles têm que ser coerentes com toda a saga (dentro da viagem que são os livros de fantasia, claro).

E pelo Lucas, minha nota para Névoa do Tempo é:
Porque se fosse pelo final eu acho que tiraria mais uma estrela.

Onde comprar: Saraiva, Submarino

Ps.: Oh... Depois de A passagem, vou dar um tempo com as séries novas de vampiros. Acho que já deu. São tantos tipos diferentes que este assunto já está saturado. Só vou terminar as séries que já comecei (Diários do vampiro, Academia de Vampiros, Irmandade da Adaga Negra, The House of Night). Só espero não pagar língua (já disse que tenho PhD nisso, né?!).

É triste pensar que logo, logo são os anjos que ficam assim. Explorados excessivamente.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

TOC Template by Ipietoon Blogger Template | Gift Idea