quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

#39: A Batalha do Apocalipse (Eduardo Spohr)

Postado por Luciana Mara às 10:01:00
Sinopse: Há muitos e muitos anos, há tantos anos quanto o número de estrelas no céu, o Paraíso Celeste foi palco de um terrível levante. Um grupo de anjos guerreiros, amantes da justiça e da liberdade, desafiou a tirania dos poderosos arcanjos, levantando armas contra seus opressores. Expulsos, os renegados foram forçados ao exílio, e condenados a vagar pelo mundo dos homens até o dia do Juízo Final.

Mas eis que chega o momento do Apocalipse, o tempo do ajuste de contas, o dia do despertar do Altíssimo. Único sobrevivente do expurgo, o líder dos renegados é convidado por Lúcifer, o Arcanjo Negro, a se juntar às suas legiões na batalha do Armagedon, o embate final entre o Céu e o Inferno, a guerra que decidirá não só o destino do mundo, mas o futuro do universo.

Das ruínas da Babilônia ao esplendor do Império Romano; das vastas planícies da China aos gelados castelos da Inglaterra medieval. A Batalha do Apocalipse não é apenas uma viagem pela história humana, mas é também uma jornada de conhecimento, um épico empolgante, cheio de lutas heróicas, magia, romance e suspense.


Comentários: Sabe aqueles comentários de outros autores nas capas ou nas orelhas dos livros, elogiando a obra em questão? Eu sempre os via como puxação de saco, comentários puramente comerciais, que não deveriam levar muitos créditos.

Imagine, então, quando comparam o livro com a obra do Tolkien (admito que demorei a engatar a leitura de SdA) e todo o universo criado por ele? Logo de cara o que eu faço? Desconfio, claro... Mas daí, me entrego a leitura para tirar a prova.

E a palavra final após finalizá-la é: SURPRESA
---------
O mundo está na 3ª guerra, cada bomba, cada míssel é uma trombeta que indica o final do mundo. Basta chegar a sétima trombeta e acontecerá a destruição total. De acordo com Miguel, isto está escrito no Livro da Vida.

Ablon é um anjo renegado. Junto a outros 17 anjos ele foi expulso dos Sete Céus (em 3800 a. C.) após a traição de Lúcifer e, atualmente, vaga no Haled (Terra). Ablon vive no Brasil, um país neutro no conflito.

Lúcifer reside e comanda o Sheol (inferno) com seus duques e demônios. Em oposição a ele, temos seu irmão, Miguel (cujo objetivo sempre foi exterminar a raça humana). Há outros arcanjos Rafael (desaparecido), Gabriel (que quer enfrentar Miguel e Lúcifer) e Uziel (morto por Miguel). 

Todos aguardam o final do sétimo dia, que corresponde à sétima era da criação do mundo, em que Yahweh (Deus) despertará de seu descanso.

De volta ao passado, nos é relatada a busca de Ablon por Ishtar, uma querubim renegada aprisionada na Torre de Babel. Enquanto tentava achá-la e resgatá-la, Ablon encontra e salva Shamira, uma necromante também conhecida como Feiticeira do En-Dor. Eles se encontram por várias vezes durante toda a evolução do mundo, e juntos presenciam a destruição da Torre de Babel, a queda de Constantinopla... São apaixonados, mas, silenciosamente, decidiram ficar juntos apenas quando o mundo acalmasse.

No presente, Ablon chamou a feiticeira para que ela fizesse um feitiço de proteção para sua visita ao Sheol, a convite de Lúcifer. Então, ela marca duas runas em Ablon, uma para que ele reviva (uma única vez) e outra que ele não tenha a mente invadida.

Após o encontro com Lúcifer, e no qual Ablon negou aliança com ele na Batalha contra Miguel, Shamira é sequestrada pelo Anjo Negro, uma entidade misteriosa.

Em busca de Shamira, Ablon se alia a um dos arcanjos e voltará a ser o Primeiro General na batalha de decidirá todo o destino da humanidade.
---------
Há muitos acontecimentos que deixei de citar neste meu curto resumo (que acabou deixando a história mais romântica do que na verdade ela é, mas não resisti em dar um toque feminino no enredo). Há vários reencontros, destruições, mortes, lutas, traições, demonstrações de amor e amizade, que se eu relatasse em detalhes os faria perder a surpresa que é este livro.

O Spohr teve o dom de pegar alguns fatos da Bíblia, e transformá-las em uma história nova (dilúvio, destruição da Torre de Babel, de Enoque e Atlântida, de Sodoma, nascimento e crucificação do Salvador). Eu imagino que para escrever este livro foi necessária muita, muita, muita pesquisa. Ele fala sobre conflitos da atualidade e eventos bíblicos numa facilidade que me impressionou.

Não é à toa que ele se autodenomina nerd, e causa quinta-do-autógrafo-monossilábico-com-crepe. Ele deve ficar tão inserido no mundo criado por ele, que esquece o nosso (foi mal, não resisti. Espero que ele nunca leia isto, Amém!)

E sabe o que mais me impressionou? O modo como todas as peças se encaixam. Quando pensei que tivesse deixado uma ponta solta, vem o epílogo e resolve tudo. Fantástico!

Definitivamente este livro não fica aquém de um livro de literatura estrangeira. Ele acabou por minar o preconceito que eu tinha com a literatura brasileira (culpa dos professores que só nos fazem ler livros chatos na escola).

Ah... E há no final um glossário e uma linha do tempo que ajudam muito a acompanhar a história. Só senti falta de um mapa. Sou péssima em geografia e não conseguia visualizar os caminhos percorridos por Ablon. Dei uma olhada na edição ilustrada (e linda) que saiu, mas nela também não tem.



 
Onde comprar: Saraiva, Submarino 

Ps.: É meu 2º livro do Desafio de Férias. Queria não ter tido que ler correndo para terminar ainda em Dezembro. Acho que curtiria a leitura (ainda) mais.

10 comentários:

Kellen Baesso disse...

Ai, mais uma resenha para me animar a começar a Batalha!!! Estou muito curiosa. É o próximo que vou ler. Vamos comentá-lo no Clube do Livro.
Amei a resenha.
Beijo

Nanda disse...

Ei Lu,

Ahh que bom que vc gostou tanto, eu disse que era muitoo bom. E toma jeito e compra logo Dragões de Éter rsrs

hauhauhau sabia que vc ia cutucar, vou mandar sua resenha para ele ler pode? kkkkkkkkkkkkk

Adorei a resenha, tbm queria mais romance entre o ablon e a shamira.

bjooo

Isa Pina disse...

Uau, a história é meio confusa, por exemplo, eu, lendo a resenha, ficava confundindo os nomes :x
Mas, tirando isso, falam tão bem desse livro, quem sabe não peço de Natal? rs
Feliz ano novo!
Bjs,
Isa.
~portal dos livros

Dri disse...

Oi, Lu!

Não li o livro, mas estou lendo tantos elogios a ele, que estou ficando com a pulga atrás da orelha. Acho que irei dar uma chance.

Beijão!!

Lu disse...

ei Lu adorei a resenha. ^^
estou louca para ler esse livro do qual todos falam também.
espero gostar muito mesmo. ^^
beijos.

Entre Fatos & Livros disse...

Amei sua resenha!
Ainda não li o livro, mas só tenho lido coisas boas a respeito. Tô cada vez mais curiosa.

Lu, tdo de bom para vc em 2011!

Feliz ano novo, sucesso!!!

Bj
Pri
Entre fatos & Livros

ʆɛtíciɑ iɑucɦ รwiԲt disse...

Own, eu quero muito ler esse livro. Eu também tinha (ou tenho) preconceito com a literatura nacional. Mas saíram tantos livros nacionais que eu quero MUITO...
"A batalha do Apocalipse" é um dos livro que eu tenho que ler em 2011, com certeza ^^
Resenha perfeita Lu {será que o Spohr não vai mesmo lê-la??? HSUHAUSHAU}

Bjoos'
Lets

Carol disse...

Sempre olho meio de lado para esse livro quando passo por ele em alguma livraria. Achei o tema meio sensacionalista, mas pelos seu comentários vejo que provavelmente estou enganada. Me parece um livro bem construído e interessante, acho que vou dar um chance. ;D
Bjocas

Vício de Cultura disse...

Nossa Lu, eu adorei a sua resenha!
Mas eu não consigo engatar na leitura desse livro, recebi da editora mas até agora estou relutando em lê-lo. Não consigo passar da página 70. Em breve tentarei, pois estou na famosa ressaca literária! HUASH

Beijos

thiago disse...

Lu, penso em compra-lo vc acha uma boa idéia?

Postar um comentário

Obrigada pelo comentário!
Deixe seu endereço para eu retribuir a visita ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

TOC Template by Ipietoon Blogger Template | Gift Idea